A violência ainda não acabou!

Pois é, a violência no Coco de Umbigada de Guadalupe ainda não acabou! No dia 22 de janeiro publicamos por aqui um post sobre os problemas que o Coco de Umbigada tem enfrentado (veja o post anterior ) e no ultimo fim de semana aconteceu novamente:

Policia continua perseguindo a Cultura Popular no nosso país

” Olá a todos, que bom vê que ainda existe muita resistência do nosso povo !!!
Principalmente o da cultura popular, que diante de opressões, repressões
e preconceitos se mostram vivos e com muita força dentro dos movimentos comunitários”.
No ultimo sábado, dia 07 de Fevereiro, dia que acontece a tradicional Sambada de Coco, promovida por Beth de Oxum, há mais de 10 anos na comunidade, em Olinda, a cidade que  recebeu o título da 1a Capital Brasileira da Cultura, um triste episódio ocorreu.
Por volta das 22 horas se apresentavam o Grupo Cultural Coco de Umbigadinha, que estavam  tocando em comemoração ao Premio Ludicidade, premio promovido pelo Minc, que premiou  200 iniciativas no país que atuam com propostas sócio-cultural-artístico-educacionais que  assegurem os direitos das crianças e adolescentes ou que estejam envolvidos em parceria com

escolas, universidades públicas ou demais instituições com o objetivo de promover uma política  nacional de transmissão e preservação da Cultura da infância e da adolescência.
Quando em uma ação planejada chegaram mais de  30 policiais de coletes, fortemente armados,  como se tivessem lidando com marginais, tomaram os instrumentos das mãos das criança do Coco de Umbigadinha contra sua vontade, levaram o som do coco e ainda queriam levar Beth de Oxum presa, queriam leva-la a delegacia por manifestar a vontade da comunidade de cantar e dançar o coco de roda. Que policia é essa ?, que Estado é esse ?, e que política cultural estamos construindo
para o nosso país ?, precisamos colocar esse sentimento na rede, para dizer a todos da nossa  dor e da nossa indignação, por sermos um ponto de cultura que promove o pertencimento dessas  crianças com sua cultura, com sua cidadania.
Será que agente ainda esta vivendo uma ditadura militar nesse país, onde a policia arranca  instrumentos musicais de crianças, que junto conosco resgatam sua identidade e cultura afro brasileira e promovem alegria dentro da sua comunidade !!!
Eu sou Kalina Régia, coordenadora de tecnologia das ações desenvolvida pelo Ponto de Cultura Coco de Umbigada, trabalho junto com Beth a inclusão digital dessas crianças. Estou indignada com a postura da policia diante das manifestações populares, que contradição é essa !!!.
Será que retroagimos minha gente a 50 anos atrás, peço força a Beth, a sua família, as crianças, aos  mestres, a comunidade que assistiu a tudo e se mostrou solidária a nossa luta e a cultura popular  desse país para continuar lutando contra esses abusos de poder.
Beijos a todos e a Sambada de Coco Continua !!!

      1. Ouça aqui o áudio
( tb enviado pela Kalina Regia para a lista da Rede Mocambos), da Beth falando na volta da delegacia.

É certo que o Coco de Umbigada não vai acabar porque ele conta com a força daquela comunidade  e com um apoio popular gigante, mas será que ainda temos que viver o tempo em que as as pessoas que brincam as manifestações populares de matriz africana precisam correr da polícia? Que crianças com tambores são abordadas por policiais da mesma forma como são abordados os criminosos? Que a polícia apreende  tambores  como fazia em todos os Xangos de Olinda e Recife no século passado? Será que a autoridade policial não percebe que o trabalho do Coco de Umbigada é inclusive uma parte importantíssima das ações de segurança publica e bem estar da comunidade do Guadalupe?

Escrito por marciolozano

Categorias: Notícias



4 Responses to A violência ainda não acabou!

  1. Fabio Maciel says:

    Pois é. Palhaçada.

    Aconteceu neste ultimo fim de semana no Rio de Janeiro um episódio parecido de repressão contra a cultura popular. O “bloco das muié”, que acontece há mais de 7 anos, foi impedido de sair com argumentos vazios e policiais truculentos.

    Uma palhaçada isso tudo.

    Abraços

    Fabio Maciel

  2. marciolozano says:

    Opa, me mande os links dos vídeos se puder, acho importante organizarmos esse material.

    Abs,
    Marcio

  3. Priscilla says:

    É marcio e queridos do Bloco de Pedra.
    Eu estava lá e vi, com meus olhos, as crianças se juntarem a meia duzia de adultos e fazer o coco na mão e no gogó. Ao fundo, uma senhora gritava. “Vamos minha gente, que eles podem levar os instrumentos, mas a nossa mão e a nossa voz não levam não!” Eu também tenho vídeos sobre essa noite e, apesar de estar muito escuro dá para sentir a força e o poder que as nossas crianças carregam, muitas vezes sem se dar conta!!!

  4. Pingback: Momo nos acuda: repressão a um Ponto de Cultura em Olinda «

  5. rogeriojordao says:

    É, esse negócio de policia é assunto sério. Recebi recentemente dados oficiais de números de civis mortos pela polícia no Rio e em São Paulo — nossas PMs deixam o exército de Israel para trás em termos de letalidade (na média anual entre 2001 e 2008 matou-se mais no Rio do que na Faixa de Gaza).
    Vcs têm algum dado deste tipo para Pernambuco?
    Se interessar, postei em:
    http://rogeriojordao.wordpress.com/
    abs,
    Rogério

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Agenda Alves Cruz apresentação Baque Virado batizado blocodepedra Bloco de Pedra Bloco de Percussão caldinho de feijão Calo na Mão cineclube Circuito Cultural coco de umbigada Consciência Negra construção construção de instrumentos convenção Dia da Consciência Negra Escola Alves Cruz Festa Junina Grupo Quiloa guadalupe história Letras de Toadas Leão Coroado Maracatu maracatu.org.br Maracatu Bloco de Pedra Maracatu Leão Coroado Maracatu Nação Maracatu São Paulo Mestre Shacon Mestre Walter Nação Porto Rico Olinda parceiros do Bloco de Pedra Porto Rico programação Projeto Calo na Mão Quiloa Recife Santos Sessão Caldinho de Feijão Sábado São Paulo

Desenvolvido com WordPress
Sob uma Licença Creative Commons Créditos