O QUE É MARACATU ?

MARACATU DE BAQUE VIRADO

Também conhecido como “Nação”, mantém em seu desfile o cortejo real, muito próximo daquele outrora apresentado pela escravaria africana, no período colonial, para homenagear a coroação do Rei do Congo.

A presença do Maracatu de Baque Virado é mais marcante na área urbana, mais precisamente na capital. Antigamente, suas apresentações aconteciam no pátio das igrejas de Recife, Olinda e Itamaracá, promovidas pelas irmandades de Nossa Snehora do Rosário dos Pretos e São Benedito.

Com o passar do tempo, o cortejo foi evoluindo e desgarrando-se dos festejos dos Reis Magos, entrando para os festejos carnavalescos, onde hoje figura como peça importante do carnaval pernambucano.

O Maracatu até então conhecido como “Nação” passou a receber a designação de Baque Virado para diferenciá-lo da variante que surgia: o Maracatu de Baque Solto. As gentes das nações eram de origem africana, devotos dos cultos afro-brasileiros. Veneravam a Calunga (boneca) espécie de divindade muito respeitada no sincretismo religioso. Cantavam loas (toadas) para seus mortos (eguns), nas quais incluiam versos de procedência africana. As toadas cantadas pelo puxador sõa respondidas ou repetidas pelas baianas e demais integrantes do grupo.

O som de um apito determina o início e o fim de uma toada. O instrumental do Maracatu de Baque Virado é exclusivamente de percussão. O Gonguê, o tarol, a caixa de guerra e as alfaias complementam-no e dão ao cortejo como que um caráter de encontro místico entre os seus participantes. A dança mantém as origens africanas.

A exibição do cortejo dá-se de maneira ordenada: na frente vêm as Damas de Paço, que portam as Calungas durante o desfile.

Depois, protegidos por um Pálio (espécie de guarda-sol), vêm o Rei e a Rainha, cada um com sua Dama de Honra, seguindo-se o Príncipe e a Princesa, o Ministro, o Embaixador, o Duque e a Duquesa, o Conde e a Condessa, o Conselheiro, os soldados, os vassalos, as baianas, os lanceiros e a Porta-Bandeira. Seguem o cortejo ainda, o Guarda-Coroa, o Corneteiro, a Baliza, o Secretário, os Batuqueiros e os Caboclos de Pena.

MARACATU DE BAQUE SOLTO OU MARACATU RURAL

Nasceu da fusão de vários folguedos populares que existiam sobretudo nos engenhos de cana-de-açúcar da Zona da Mata Norte de Pernambuco, principalmente em Nazaré da Mata, que nessa época era um importante centro cultural e econômico do estado.

Ao contrário do Maracatu de Baque Virado, o Maractu de Baque Solto, provavelmente tem suas origens nas Cambindas, que eram brincadeiras de grupos masculinos, trajando roupas femininas.

Vivendo basicamente do corte da cana-de-açúcar ou de subemprego, os brincantes desse folguedo dão um verdadeiro exemplo de resistência, quando, com todas as dificuldades e total desamparo, conseguem manter viva a tradição e acesa a chama de sua arte.

Esses homens fortes, ajudados por suas famílias confeccionavam suas próprias fantasias, verdadeiras obras de arte bordadas em vidrilhos, canutilhos e lantejoulas.

Na verdade, cada um deles se doa de corpo e alma, a esse brinquedo. A recompensa é a alegria de ser um brincante, divertir e emocionar.

A orquestra que acompanha o Maracatu de Baque Solto é formada por instrumentos de percussão e sopro, dentro os quais o trombone. A música é a marcha, executada em quatro, seis e dez linhas rítmicas, enquanto o Maracatu Nação tem uma música entoada, que se aproxima do toque do Xangô e do Camdomblé.

A principal figura do grupo é o “Mestre”, que puxa as toadas, ao mesmo tempo em que a orquestra silencia.

Seus personagens são: o Mestre, Mateus, Bastião, Catirina, Baianas, a Dama de Paço, Bandeiristas, Burra, Caçadores, Caboclos de Pena e Caboclos de Lança.

BIBLIOGRAFIA

Secretria de cultura de Pernambuco “Espetáculos Populares de Pernambuco”.
Karina de Melo Soares, Sandra de Deus, Alba Cristina de Albuquerque Moreira

Escrito por admin

Categorias: Maracatu, Notícias



7 Responses to O QUE É MARACATU ?

  1. amei essa historia do maracatu e bom q ja serve pro meu trabalho

  2. Gostaria de receber em meu endereço eletrônico,notícias sobre maracatu e outros elementos da cultura pernambucana.Obrigado!

    José genival da Silva.
    (Acadêmico do curso de Educação Física)

  3. albertinho says:

    mas quando acontece o maracatu
    afinal
    xau..

  4. cleucilene says:

    boa leitura ♥

  5. cleucilene says:

    amei a historia do maracatu e uma historia fantastica que todos nos devemos ter esse gostindo que eu tiver lendo e aprendendo com ela ensinou muito pra min conserteza pra vc tambem

    bjs!

    ao leitores

  6. nathalia says:

    GOSTEI DAS DANÇAS

  7. nathalia says:

    adorei a historia domaracatu

    adorei a historia do maraCATU

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Agenda Alves Cruz apresentação Baque Virado batizado Bloco de Pedra blocodepedra Bloco de Percussão caldinho de feijão Calo na Mão cineclube Circuito Cultural coco de umbigada Consciência Negra construção construção de instrumentos convenção Dia da Consciência Negra Escola Alves Cruz Festa Junina Grupo Quiloa guadalupe história Letras de Toadas Leão Coroado Maracatu maracatu.org.br Maracatu Bloco de Pedra Maracatu Leão Coroado Maracatu Nação Maracatu São Paulo Mestre Shacon Mestre Walter Museu Afro Brasil Nação Porto Rico Olinda parceiros do Bloco de Pedra Porto Rico Projeto Calo na Mão Quiloa Recife Santos Sessão Caldinho de Feijão Sábado São Paulo

Desenvolvido com WordPress
Sob uma Licença Creative Commons Créditos