Breve relato de como se deu o fim da escravatura no Brasil

Olá!!!!!!!!! Dia 13 de maio esta chegando e com ele teremos muitas festas em comemoração a libertação dos escravos…vou relatar aqui rapidamente como foi que essa libertação ocorreu.
Na época em que os portugueses começaram a colonização do Brasil, não existia mão-de-obra para a realização de trabalhos manuais. Diante disso, eles procuraram usar o trabalho dos índios nas lavouras; entretanto, esta escravidão não pôde ser levada adiante, pois os religiosos se colocaram em defesa dos índios condenando sua escravidão. Assim, os portugueses passaram a fazer o mesmo que os demais europeus daquela época. Eles foram à busca de negros na África para submetê-los ao trabalho escravo em sua colônia. Deu-se, assim, a entrada dos escravos no Brasil.
Os negros, trazidos do continente Africano, eram transportados dentro dos porões dos navios negreiros. Devido as péssimas condições deste meio de transporte, muitos deles morriam durante a viagem. Após o desembarque eles eram comprados por fazendeiros e senhores de engenho, que os tratavam de forma cruel e desumana.
Apesar desta prática ser considerada “normal” do ponto de vista da maioria, havia aqueles que eram contra este tipo de abuso. Estes eram os abolicionistas (grupo formado por literatos, religiosos, políticos e pessoas do povo); contudo, esta prática permaneceu por quase 300 anos. O principal fator que manteve a escravidão por um longo período foi o econômico. A economia do país contava somente com o trabalho escravo para realizar as tarefas da roça e outras tão pesados quanto estas. As providências para a libertação dos escravos deveriam ser tomadas lentamente.
A partir de 1870, a região Sul do Brasil passou a empregar assalariados brasileiros e imigrantes estrangeiros; no Norte, as usinas substituíram os primitivos engenhos, fato que permitiu a utilização de um número menor de escravos. Já nas principais cidades, era grande o desejo do surgimento de indústrias.Visando não causar prejuízo aos proprietários, o governo, pressionado pela Inglaterra, foi alcançando seus objetivos aos poucos. O primeiro passo foi dado em 1850, com a extinção do tráfico negreiro. Vinte anos mais tarde, foi declarada a Lei do Ventre-Livre (de 28 de setembro de 1871). Esta lei tornava livre os filhos de escravos que nascessem a partir de sua promulgação.
Em 1885, foi aprovada a lei Saraiva-Cotegipe ou dos Sexagenários que beneficiava os negros de mais de 65 anos.Foi em 13 de maio de 1888, através da Lei Áurea, que liberdade total finalmente foi alcançada pelos negros no Brasil. Esta lei, assinada pela Princesa Isabel, abolia de vez a escravidão no Brasil.
A lei marcou a extinção da escravidão no Brasil, o que levou à libertação de 750 mil escravos, a maioria deles trazidos da África pelos portugueses.
A assinatura da lei foi conseqüência de um longo processo de disputas. Logo antes da elaboração do deputado conservador João Alfredo, muitas manifestações pedindo a libertação dos escravos já ocupavam as ruas, principalmente em São Paulo e Rio de Janeiro.
Na verdade, os escravos já estavam mobilizados em torno desta causa havia muitos anos. Um dos primeiros ícones da luta pela libertação dos escravos, considerado o mais importante até hoje, foi o movimento do Quilombo dos Palmares, liderado por Zumbi dos Palmares.
Escravos fugidos ou raptados de senzalas eram levados para o território, que chegou a ter 200 quilômetros de largura, em um terreno que hoje corresponde ao estado de Alagoas, parte de Sergipe e de Pernambuco. O movimento, iniciado por volta de 1590, só foi derrotado cerca de 100 anos depois, em 1694. Um ano depois, Zumbi, traído por um homem de sua confiança, foi assassinado. A data de sua morte, 20 de novembro, é muito comemorada pelo movimento negro e foi oficializada como o Dia Nacional de Denúncia contra o racismo.
Esse foi um breve relato sobre como se deu a extinção da escravatura no Brasil.
Ao longo do mês postarei as festas em homenagem a esse dia aqui.
E ai vai a primeira…
“FIM DE SEMANA NO QUILOMBO SÃO JOSÉ”
O quilombo São José, em Valença-Rj, promove todo ano uma festa de Jongo em homenagem aos Pretos Velhos, quando recebe vários amigos e convidados, além de todos aqueles que apreciam a cultura popular do nosso país.
O Jongo é uma dança popular que surgiu nas antigas fazendas de café no sudeste do Brasil, pelos africanos vindos da região , onde hoje como Congo e Angola. É dançado por casais que umbigam no centro de uma roda conduzida por tambores e pontos cantados pelos seus participantes.
O grupo de cultura popular Nas Coxas , que trabalha com danças de umbigada, dentre elas o jongo de Valença, anteriormente ao evento.
Na viagem estão incluídas os traslados (ida e volta); café da manhã em Conservatório (capital mundial da Seresta) com permanencia de 3 h na cidade; provimentos (comes e bebes) durante toda a viagem; café da manhã em Santa Isabel do Rio Preto; oficinas sobre a comunidade e suas tradições; exibições de filmes temáticos durante a viagem.
Reserve já o seu lugar no ônibus (executivo).
Para colocar o pé na estrada junto com o Nas Coxas e participar da oficina, entre em contato.
(11) 2123-7341- Mônica ou Edgard
(11) 7242-4181- Edgard
(11) 7477-9391- Aline
(11) 8207-5067-Fernando
(11)8256-5460- Isabelle
Valores:
R$120,00 para pagamento até dia 10 de abril
R$135,00 para pagamento até dia 25 de abril
R$150,00 para pagamento até dia 25 de abril (caso haja vagas)
Obs: Não haverá devolução parcial ou total do valor após o dia 25 de março.
O pagamento pode ser feito em prestações.Consulte!
O evento parece que vai ser mnt bom gente!!!! participem!
Há a ultima oficina foi muito boa, adorei o clima, e agora com os novos batizados a familia do Projeto Calo na Mão esta maior!
E como nunca é demais lembrar as letras das toadas estão disponibilizadas aqui no Bloco, então gente por favor cantem!!!!!!!!!!!!!!!! Não existe maracatu sem canto!!!!!!!!!

* A foto postada é da oficina de contrução de alfaias.

Bjs a todos….

Escrito por admin

Categorias: Maracatu, Notícias



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Agenda Alves Cruz apresentação Baque Virado batizado blocodepedra Bloco de Pedra Bloco de Percussão caldinho de feijão Calo na Mão cineclube Circuito Cultural coco de umbigada Consciência Negra construção construção de instrumentos convenção Dia da Consciência Negra Escola Alves Cruz Festa Junina Grupo Quiloa guadalupe história Letras de Toadas Leão Coroado Maracatu maracatu.org.br Maracatu Bloco de Pedra Maracatu Leão Coroado Maracatu Nação Maracatu São Paulo Mestre Shacon Mestre Walter Nação Porto Rico Olinda parceiros do Bloco de Pedra Porto Rico programação Projeto Calo na Mão Quiloa Recife Santos Sessão Caldinho de Feijão Sábado São Paulo

Desenvolvido com WordPress
Sob uma Licença Creative Commons Créditos